“Mercado financeiro” quer mais compromisso do Brasil, mas também não ajuda

Eventos recentes dão a impressão de que Paulo Guedes cedeu à agenda política de Bolsonaro

Até o momento, Bolsonaro tem sido um péssimo gestor e político. Não conseguiu delinear um plano de ação junto com Paulo Guedes. A condução das reformas tem sido dramática. Escândalos de corrupção e interferências políticas tem sido a regra nos últimos tempos.

Soma-se à isso a insensibilidade do presidente com questões importantes como o meio ambiente, o tratamento da pandemia da covid-19 e sua visão preconceituosa sobre negros e minorias.

Entretanto, no que tange a política macroeconômica, a condução tem sido exemplar, no que se refere ao paradigma neoliberal.

A exceção ocorre por conta dos fatos recentes. Sobre estes, temos o aumento de gastos com o enfrentamento da pandemia e a tendência de Bolsonaro se afastar do compromisso com o paradigma neoliberal.

Diante disso, os agentes do mercado financeiro têm tecido fortes críticas ao que pode se tornar a nova agenda macroeconômica do país: um desenvolvimentismo capenga e populista.

Porém, a decisão de Bolsonaro é até justificável.

Desde 2015 o país vem seguindo à risca a receita fornecida pelo sistema financeiro. Instituiu-se uma lei que limitasse o crescimento dos gastos públicos para os próximos vinte anos. Cortou-se investimentos públicos. Realizou-se reformas liberais, como a trabalhista e a previdenciária.

Ainda neste sentido, mais duas reformas encaminhadas: a administrativa e a tributária.

Ou seja, a agenda de reformas e de corte de gastos já dura cinco anos. O que isso nos trouxe de positivo?

Como sabemos, o PIB do país continua estagnado, e pior, está ao mesmo patamar de 2009.

PIB per capta (dólar): Banco Mundial

Outra evidência de que as coisas não andam bem é a taxa de desocupação, que também avança, atingindo 13,8% na última medição de julho de 2020.

Taxa de desocupação: Ipeadata

A estagnação também aparece quando analisamos o comportamento dos investimentos (formação bruta de capital fixo) nos últimos anos.

FBCF: Ipeadata

Lógico que não dá para esperar patriotismo do mercado, como chegou a pedir Bolsonaro. Mas como esperar compromisso com uma agenda que já há cinco anos não entrega resultados?

Infelizmente a especulação sobre a mudança de rumo da condução da política macroeconômica se dá mais por causa de uma motivação eleitoreira e populista do que derivada de um projeto pensado e articulado para atender a urgência de desenvolvimento do país.

O resultado pode ser perverso uma vez que os gastos estão sendo feitos de forma dessincronizada com os demais setores da sociedade.

Por fim, tem-se também incertezas quanto a conduta da “nova” política econômica. Como vai ser? Vai furar a regra do teto de gastos? Vai ter novas regras? Se sim, como elas serão?

Tudo isso segue sem respostas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s